Cheiro das flores muda com a poluição postado por Gran dia 03 de Out de 2013 às hs.

A queima de diesel lança na atmosfera substâncias que afetam a capacidade das abelhas reconhecerem o cheiro das flores, atrapalhando o trabalho de polinização feito pelo inseto que é fundamental para a agricultura mundial, o que, em consequência, coloca em risco a segurança alimentar do planeta.


Em uma experiência, pesquisadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, misturaram oito compostos normalmente encontrados no odor exalado por plantas da família que produz o óleo de canola com ar limpo e ar contaminado com a exaustão de veículos movidos a diesel. Eles verificaram que no primeiro caso nada aconteceu, mas no segundo dois dos compostos desapareceram por completo em menos de um minuto.


Os cientistas então procuraram descobrir quais poluentes do diesel tinham reagido com o cheiro das flores. Repetindo o processo apenas com os chamados gases NOx (óxido nitroso e dióxido de nitrogênio), eles observaram o mesmo desaparecimento dos dois  compostos do odor da planta. Por fim, os pesquisadores apresentaram a mistura alterada às abelhas, que não conseguiram reconhecer o cheiro devido à mudança em seu perfil químico.


Diante disso, eles acreditam que a poluição dificulta a vida das abelhas, que usam o cheiro das flores para localizar as plantas de onde extraem o néctar.


Mas a poluição atmosférica não é a única a tornar a vida das abelhas mais difícil. Outro estudo, da Universidade da Califórnia, demonstrou que o acúmulo de selênio nas plantas de onde elas tiram o néctar pode perturbar a capacidade de polinização destes insetos e encurtar suas vidas. Fundamental para o desenvolvimento de insetos e humanos, o selênio torna-se tóxico a partir de concentrações pouco maiores que as naturais, às quais as abelhas não estão  preparadas para evitar.


Fonte: Jornal O Globo