Fóssil de felino mais antigo foi encontrado no Tibet postado por Gran dia 14 de Nov de 2013 às hs.

O fóssil mais antigo de grandes felinos, de uma espécie parecida com o leopardo das neves, foi descoberto nos Himalaias. Fragmentos de crânio da espécie nomeada Panthera blytheae têm entre 4,1 e 5,9 milhões de anos. A descoberta no Tibet sustenta a teoria de que os grandes felinos evoluíram na Ásia central - e não na África - e se espalharam mundo afora. Paleontólogos chineses e americanos publicaram o feito na revista “Royal Society Proceedings B”.


Os pesquisadores usaram dados anatômicos e de DNA para determinar que o crânio pertencia a um grande felino extinto, cujo território parece se sobrepor a muitas das espécies que conhecemos hoje.


- Esta é uma irmã dos leopardos das neves que vivem hoje, tem face curta e testa larga, mas é um pouco menor, do tamanho de um leopardo das nuvens - disse à BBC o autor do estudo, Jack Tseng, da Universidade da Califórnia Meridional. - Os biólogos tinham uma hipótese de que esses grandes felinos tinham se originado na Ásia, mas houve uma divisão entre os dados de DNA e o fóssil.


Os grandes felinos da subfamília Pantherinae inclui leão, jaguar, tigre, leopardo, leopardos das neves e das nuvens. Provas de DNA sugerem que estes felinos divergiram de seus primos o Felinae - que inclui pumas, linces, e gatos domésticos - cerca de 6.370 mil anos atrás. Mas os fósseis mais antigos encontrados anteriormente tinham apenas 3,6 milhões de anos - fragmentos de dente descoberto em Laetoli, na Tanzânia, sítio famoso escavado por Mary Leakey em 1970.


Este novo fóssil foi escavado em uma expedição de 2010, na remota Zanda Basin, no Tibet, pelo time de Tseng e sua mulher, a paleontóloga Juan Liu. Eles encontraram mais de cem ossos depositados na erosão de um rio sob um penhasco, incluindo os restos esmagados do crânio de felino.


- Geralmente encontramos antílopes e rinocerontes, mas este sitio foi especial, encontramos vários carnívoros - texugos, doninhas e raposas - disse Tseng à BBC News.


Fonte: O Globo Ciência